Tempo de Reenvasar
A Primavera é uma estação importante porque é quando se fazem a maior parte dos reenvasamentos e as divisões das plantas que terminaram as florações ou que já estão há algum tempo no mesmo substrato. Normalmente nas orquídeas os reenvasamentos são feitos de dois em dois anos ou mais cedo até se verificarmos que os vasos estão a ficar demasiado cheios. Excluem-se as orquídeas que têm hastes florais, botões ou que sabemos que vão entrar em época de floração. Não queremos, de maneira nenhuma, perder uma possível floração e muita vezes, um reenvasamento, uma limpeza da planta e, por certo, uma divisão, iriam stressar a planta e esta ‘desistiria’ de florir nesse ano. Acontece com frequência às orquídeas reenvasadas não darem flores no ano a seguir a essa operação. Demora sempre algum tempo até a planta se estabelecer no novo vaso e substrato de modo a sentir-se forte para florir. Para ajudar a ultrapassar essa nova adaptação de uma forma mais rápida, convém rega-la nas primeiras regas após o transplante, com um fortificante à base de ácidos fúlvicos e húmicos. O fortificante é também um produto ao qual podemos recorrer quando a planta está, de algum modo, fragilizada, seja por uma grande floração, que pode ser desgastante para a planta, uma doença, um ataque de uma praga ou mesmo se for sujeita a um período de seca mais prolongado. Também nas orquídeas montadas, o fortificante dá-lhes uma energia extra para garantir um melhor crescimento. 
No reenvasamento, ao retirarmos a planta do vaso, aproveitamos a oportunidade de termos a planta mais acessível para fazermos uma limpeza retirando folhas secas, alguns bolbos que possam ter apodrecido ou raízes que não se encontrem em condições e possam vir a originar focos de doenças. Há quem lave mesmo a planta ou aproveite para utilizar um antifúngico mas eu não tenho o hábito de o fazer.
Se a planta não cresceu demasiado, não há necessidade de a mudarmos para um vaso maior. Basta que o vaso atual seja lavado e que o substrato seja trocado por novo. Se a planta está demasiado grande para o vaso antigo, devemos reenvasa-la num vaso onde a planta fique ainda com espaço para crescer durante mais dois anos. Depois da planta limpa, deve ser colocada no vaso e no novo substrato. Depois dessa operação costumo fazer uma boa rega com o fortificante diluído na água e coloco a planta de novo no local onde costuma estar para não haver também mudanças ambientais.
Apesar de poder ser stressante para a planta, a mudança de vaso e a colocação de novo substrato é também estimulante para a planta, incentivando-a a crescer mais rapidamente.
Comentários
  1. Este post é muito elucidativo e precioso para os principiantes em orquideas, mas surgiram-me algumas dúvidas. A que fortificante em concreto se refere? Qual a marca e NPK que habitualmente utiliza? Em que quantidade e com que periodicidade? Obrigada. Sofia Trigo

  2. Olá Sofia, obrigado pelas suas questões. Em geral tentamos não fazer publicidade a nenhumas marcas mas no entanto, posso deixar-lhe o link de uma empresa que é afiliada ao clube e que vende os produtos que procura e que faz descontos aos sócios do clube.
    http://www.jardinssintra.pt/prod_orq.html
    Quanto à quantidade e periodicidade, depende um pouco das orquídeas que cultiva, há umas que gostam/precisam de mais, outras de menos fertilizantes. No geral faz-se uma rega com e outra sem fertilizante.

  3. Gostei é tirei uma dúvida em relação ao utilizar fortificante no reenvasamento.

Deixe uma resposta

O seu email não será publicado. Campos obrigatórios *