Oncidium Twinkle

Quando a beleza das flores se associa a uma bonita palete de cores e a um doce e intenso perfume, pouco mais há a exigir a uma planta. Mas neste caso temos ainda outra vantagem, um fácil cultivo.

Oncidium Tiny Twinkle ‘Golden Fantasy’

Podem florir em qualquer estação, mas a maior predominância do aparecimento de flores é nas estações mais frias. As hastes florais aparecem com muitos botões que dão origem a grupos de pequenas flores com menos de um centímetro de tamanho. Mas mesmo assim, não deixam de ser notadas, tanto pelas cores com pelo perfume abaunilhado que espalham ao seu redor.
Pelo seu tamanho, são consideradas mini-orquídeas, mas podem crescer em grupos consideráveis ocupando um pequeno vaso ou, à semelhança do que acontece na natureza, montadas em troncos.

A Planta
Tem crescimento simpodial e é constituída por um rizoma de onde crescem as raízes e vários pseudobolbos pequenos arredondados ou ovais. Nos pseudobolbos brotam as folhas, de cor verde e atingindo os 10 cm de comprimento.

Híbridos
O Oncidium Tiny Twinkle é um híbrido, criado em Inglaterra em 1958, resultante do cruzamento de duas espécies, o Oncidium cheirophorum e o Oncidium ornithorhynchum. Sendo o primeiro de cor amarelo-canário e o segundo cor-de-rosa, é fantástico que se consigam várias cores resultantes deste cruzamento: O branco, o amarelo, o rosa e também um castanho-avermelhado. Estas variedades têm diferentes nomes como ‘Fragrant Fantasy’, ‘Yellow Fantasy’, ‘Red Fantasy’, ‘Red Girl’, ‘Golden Fantasy’, etc.
Os dois progenitores são originários da América Central, sendo encontrados em países como o México, Nicarágua, até à Colômbia e podem ser encontrados a crescer de forma epífita em florestas a altitudes entre os 1000 e os 2500 m.

Oncidium ornithorhynchum

 

Oncidium cheirophorum

O Cultivo
São plantas que se adaptam a temperaturas baixas, mas não convém que estas desçam abaixo dos 10 graus. Como na natureza crescem protegidos pelas copas das árvores que lhes servem de suporte, devemos coloca-los em locais com alguma luz, mas sombreados (um telheiro, uma janela com cortina, um local protegido com rede de sombreamento, debaixo de outras plantas, etc), nunca diretamente ao sol. São plantas frágeis que iriam sucumbir a queimaduras provocadas pelo sol.
Se tivermos esses cuidados as plantas poderão ser colocadas no exterior nas zonas mais amenas do nosso país.
Como já referi, podem ser cultivados em pequenos vasos, de plástico ou de barro, com múltiplos buracos de drenagem ou ainda montados em cortiça ou outros materiais. Um cesto suspenso pode ser uma boa opção para plantas de maiores dimensões. O substrato deverá ser apropriado a orquídeas epífitas e encontramos no mercado substratos de qualidade para esse tipo de orquídeas ou podemos fazer uma mistura de casca de pinheiro fina com fibra de coco e um pouco de perlite que se adequa a estes e outros Oncidium.
As regas deverão ser semanais no outono e inverno e mais frequentes (2 a 3 vezes por semana) nos meses mais quentes. Devemos ter sempre o cuidado de escorrer bem o vaso depois das regas para evitar que haja excesso de água nas raízes. Podemos fertilizar em todas as regas com metade da dose de fertilizante diluído na água ou em regas alternadas com a dose recomendada na embalagem.

São geralmente plantas que dão poucos problemas mas devemos estar atentos às pragas ocasionais que podem atacar as orquídeas, nomeadamente os ácaros, as cochonilhas e também os caracóis e lesmas.

Estas plantas, se cultivadas em vaso, devem ser reenvasadas a cada dois anos e podemos obter novas plantas pela divisão de uma planta madura. Teremos que ter o cuidado de deixar que cada divisão seja constituída por, pelo menos, três pseudobolbos.

Deixe uma resposta

O seu email não será publicado. Campos obrigatórios *